| | | 55 31 3568-1401

Pnud teme que milhões de latino-americanos voltem para a pobreza

Pnud teme que milhões de latino-americanos voltem para a pobreza

Preocupação de recaída é com 30 milhões de pessoas que tinham saído da condição em 2003 e estão sob risco; Programa da ONU para o Desenvolvimento defende que bem-estar reflita mais do que a renda

O Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, está preocupado com a possibilidade de milhões de latino-americanos voltarem para a pobreza. A agência lançou esta terça-feira um relatório sobre desenvolvimento humano na região.

O Pnud está especialmente preocupado com 25 a 30 milhões de pessoas da América Latina e do Caribe que haviam saído da pobreza em 2003, mas que agora estão em risco de recaída. Muitos são jovens ou mulheres.

Classe Média

Esses latino-americanos fazem parte de um grupo maior, de 220 milhões de pessoas da região que estão sob risco: oficialmente, não são pobres (aqueles que vivem com menos de US$ 4 por dia), mas também não conseguiram alcançar a classe média (os que vivem com mais de US$ 10 por dia).

Milhões de brasileiros estão nessa situação, como explicou à Rádio ONU a coordenadora nacional do Relatório de Desenvolvimento Humano do Pnud. De Brasília, Andrea Bolzon destacou os riscos de recaída.

Recaída no Brasil

É preciso olhar com cuidado para que, face ao momento em que nós estamos vivendo agora de retração na economia, essas pessoas não voltem a uma situação de pobreza como estavam antes. Inclusive o relatório faz uma estimativa de que nos próximos anos, até 9 milhões de brasileiros e brasileiras podem voltar à situação de pobreza, porque eles ascenderam, mas não têm qualificação profissional, não tiveram oportunidade de terminar o Ensino Fundamental ou Ensino Médio e estão numa situação de fragilidade muito grande.

Segundo Andrea Bolzon, o Pnud está chamando a atenção para um fator que vai além da renda: o bem-estar da população. Na década passada, o mercado de trabalho e a educação foram dois grandes motores para os latino-americanos saírem da pobreza.

Mulheres

Mas agora, as políticas públicas precisam fortalecer quatro fatores que impedem retrocessos: proteção social, sistemas de cuidado, ativos (carro, casa própria, conta de poupança) e qualificação profissional.

O Pnud defende também mais investimentos nas mulheres latino-americanas, que ganham por hora 16,4% a menos do que os homens. Mas em casa, elas trabalham três vezes a mais do que os homens fazendo tarefas domésticas.

Fonte: Rádio ONU

Leave a Reply