| | | 55 31 3568-1401

Passo a Passo 110 - Cultivar com a natureza

Passo a Passo 110 – Cultivar com a natureza

A água e os alimentos são essenciais para a vida, mas muitas pessoas passam sede e fome em nosso planeta. Um dos motivos disso é o uso excessivo dos recursos naturais. Na região semiárida do Nordeste, no Brasil, a Diaconia está promovendo um tipo de cultivo que ajuda a produção de alimentos e, ao mesmo tempo, restaura os ecossistemas saudáveis. Essa abordagem é chamada agroecologia.

A agroecologia promove uma prática agrícola que:

  • aumenta a saúde do ecossistema e a biodiversidade;
  • utiliza recursos locais renováveis;
  • aproveita ao máximo o conhecimento tradicional dos agricultores e trabalha com suas prioridades;
  • incorpora cuidadosamente novas inovações e tecnologias para proporcionar benefícios ambientais, econômicos e sociais.

A abordagem procura garantir um salário justo para o produtor e oferecer produtos locais acessíveis para as comunidades. Através da defesa e promoção de direitos e da representação dos agricultores, formuladores de políticas são pressionados a levar em consideração as necessidades dos agricultores e das pessoas que se beneficiam com seus produtos. Isso envolve ouvir os produtores e consumidores e incluí-los na tomada de decisões em todos os níveis das políticas.

A agroecologia promove relacionamentos justos entre as pessoas e entre as pessoas e o meio ambiente em que elas vivem. Ela se concentra na produção de alimentos através do trabalho conjunto com a natureza, e não contra ela.

CRIAÇÃO DE UM OÁSIS

O sítio familiar de 27 hectares de Maria José fica em uma região do Brasil que passa por longas estações de seca e por chuvas curtas e intensas. A água sempre foi escassa, mas a mudança climática está causando períodos ainda mais longos de seca e chuvas mais imprevisíveis. O desmatamento generalizado piorou a situação, e o principal rio que flui no local está começando a secar.

Apesar dessas pressões, com o apoio da Diaconia, Maria conseguiu transformar seu sítio em um oásis verde. Ela aproveita ao máximo os recursos limitados, aumentando a biodiversidade natural e garantindo que a água e os nutrientes sejam reciclados, e não desperdiçados. Ter uma variedade de fontes de renda – culturas, animais e produtos florestais – ajudou-a a estabilizar a renda de sua família.

NADA É DESPERDIÇADO

Costumávamos obter toda a nossa água de fontes naturais”, diz Maria. “Mas, com a instalação de uma cisterna de 16 mil litros, isso mudou. Agora, conseguimos cultivar mais alimentos e aproveitar ao máximo a água que temos.”

A cisterna é enchida com a água que desce naturalmente pela encosta quando chove. Além disso, Maria construiu margens de pedras ao longo das curvas de nível do terreno para diminuir a velocidade da água e ajudar o solo a absorvê-la mais. A família também reutiliza as águas residuais da pia e do chuveiro para regar os legumes e outras plantas cultivadas perto da casa.

Maria segue contando: “Estamos protegendo as nascentes plantando diferentes espécies de árvores e plantas. Temos bromélias resistentes à seca, com folhas grossas e macias. Elas são boas para alimentar os animais, além de melhorar a biodiversidade e proteger o solo. São essas plantas que mantêm os animais vivos quando há uma seca”.

As árvores e plantas forrageiras permitem que os animais pastem na sombra. O esterco dos animais é coletado e usado para fertilizar as culturas. O esterco do gado, das cabras e dos porcos também é colocado em um biodigestor, que produz gás para cozinhar. Assim, a família não queima mais madeira, e não há fumaça na cozinha. E o subproduto do biodigestor é um fertilizante orgânico excelente.

Maria cultiva diversas culturas, entre elas, milho, legumes e frutas. Ela colhe e guarda cuidadosamente as sementes das plantas mais produtivas para semear no ano seguinte. Uma unidade de processamento de polpa de frutas fornece uma renda adicional para a família.

MUITOS VISITANTES

Sou grata pelo fato de que, hoje, minha família é um ponto de referência para a comunidade. Recebemos muitos visitantes e incentivamos nossos vizinhos a cultivar a terra de forma sustentável”, diz Maria.

Ao aproveitar ao máximo os recursos naturais disponíveis e as tecnologias apropriadas, Maria conseguiu criar um sítio diversificado e produtivo. Além disso, o sítio oferece muitos benefícios ambientais e sociais para a área circunvizinha, entre eles, mais árvores e um melhor acesso à água. Com a ajuda da Diaconia, Maria estabeleceu um reservatório grande de água em suas terras, que é usado por toda a comunidade.

Waneska Bonfim – é coordenadora Político-Pedagógica da Diaconia. A Diaconia é uma organização sem fins lucrativos, comprometida com a promoção da justiça e do desenvolvimento social no Nordeste do Brasil. E-mail: waneska@diaconia.org.br www.diaconia.org.br Artigo extraído da Passo a Passo 110 – Agricultura Sustentável. Para ler a íntegra desta edição no site Tearfund Aprendizagem, clique aqui. 

Leave a Reply