| | | 55 31 3568-1401

Mantido ritmo, Brasil vai atrasar em 30 anos meta de saneamento universal

Mantido ritmo, Brasil vai atrasar em 30 anos meta de saneamento universal

Nem sempre o trajeto é viável. Se dentro de casa a água falta, fora é preciso lidar com alagamentos em época de chuva. Para se deslocar, moradores afundam o pé na na maçaroca de lama e esgoto.

“Se pisar, no outro dia já amanhece com febre e dores no corpo”, relata ela, que costuma levar os filhos para a casa de parentes nesse período na tentativa de evitar doenças.

Parte de seus vizinhos, contudo, recorre à água da chuva para abastecer os baldes. Com o alagamento, o poço original é invadido pela sujeira.

O outro pilar, o acesso à coleta e tratamento de esgoto, está mais atrasado: inexiste para 100 milhões, quase a metade da população do país.

Para se ter uma ideia, seria o mesmo que deixar toda a Colômbia, Argentina e Chile, juntos, sem nenhuma rede de esgoto. Ou, ainda, ter o Canadá inteiro sem água tratada.

A situação parece ainda estar longe de mudar. Levantamento da Folha a partir de dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, do Ministério de Desenvolvimento Regional, mostra que o indicador de acesso à água tratada passou, em dez anos, de 81,4% para 83,5%.

Já o de coleta de esgoto foi de 40,9% para 52,4%, mas desacelera desde 2013. Ou seja, o avanço anual do índice de atendimento de água e esgoto no país foi, respectivamente, inferior a 0,3 ponto percentual e de 1,3 ponto percentual, levando-se em conta os indicadores nos últimos dez anos.

Se esse ritmo for mantido e os valores de investimento permanecerem iguais, bem como o tamanho da população, serão necessários mais 50 anos para o país atingir 100% de acesso nas duas categorias (projeções de entidades do setor com as mesmas condições colocam a universalização do acesso para depois de 2060).

Serão, pelo menos, três décadas de atraso em relação à meta do Plano Nacional de Saneamento Básico, que previa que isso ocorresse até 2033. O cálculo é de entidades como o Trata Brasil e CNI (Confederação Nacional da Indústria).

“Em saneamento, estamos no século passado”, diz Roberval Tavares de Souza, presidente da Abes (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental). “Temos indicadores de terceiro mundo.”
O cenário se agrava com a disparidade entre regiões.

Enquanto no Norte o índice de acesso à rede de coleta de esgoto é de 10%, no Sudeste, é de 78,6%. O mesmo abismo é visto em relação ao abastecimento de água, o qual varia de 57,5%, na região Norte, a 91,2% na Sudeste.

Para especialistas ouvidos pela Folha, faltam investimentos e atenção ao problema. “O saneamento em geral não é prioridade e não é tratado com lógica de Estado. É sempre uma questão política, não tem continuidade”, diz Souza.

Há ainda efeito da queda no volume de investimentos na área nos últimos anos. De 2014 a 2017, o valor passou de R$ 19,7 bilhões para R$ 9,2 bilhões. Os dados são do Ministério de Desenvolvimento Regional, e compreendem investimentos do governo federal e outros agentes em água, esgoto, drenagem urbana e resíduos sólidos.

Trecho extraído de reportagem publicada pela Folha de São Paulo no dia 09/10/2019. Para ler a íntegra da matéria, clique aqui. 

Legenda da imagem: Bairro Terra Firme, na periferia de Belém. Sem nenhum tipo de coleta de esgoto, moradores convivem com esgoto a céu aberto que é jogado no canal Lago Verde, que cruza o bairro. A proximidade com o canal poluído gera vários problemas de saúde à população, que também convive com alagamentos do canal em períodos de chuva – 10.set.2019 –

Crédito da imagem:  Pedro Ladeira/Folhapress

Um dos principais objetivos estratégicos da Tearfund Brasil é fornecer acesso à água e saneamento básico em comunidades quilombolas, ribeirinhas e rurais atendidas pelos nossos parceiros. Conheça nossos projetos aqui. Seja solidário e ajude a melhorar as condições de vida dessas pessoas. DOE AGORA.

Leave a Reply