| | | 55 31 3568-1401

José Marcos: "A igreja precisa entender que ou ela volta a se parecer com Jesus ou não causa transformação"

José Marcos: “A igreja precisa entender que ou ela volta a se parecer com Jesus ou não causa transformação”

Como entender a missão de Deus? Como ser um agente de transformação em nosso tempo? Essas foram as perguntas norteadoras do Congresso Caminhos da Missão, a Igreja e seu tempo, realizado entre os dias 26 e 29 de junho de 2017 em Vitória. Nesse tempo de encontro, partilha, aprendizado e comunhão, ouvimos a voz do Espírito e saímos com o ânimo renovado. Temos reproduzido neste espaço as transcrições das palestras e exposições que tanto nos impactaram naqueles dias. Abaixo encontra-se a transcrição da fala de encerramento do Congresso, ministrada pelo pastor José Marcos, da Igreja Batista do Coqueiral, em Recife.

A Igreja do seu tempo – Por José Marcos Silva

Vitória, 29 de junho de 2017

A impressão que tenho é que Deus está ansioso pra falar com a gente e esteve ansioso esse encontro todo falando de todas as formas. Quero trazer na minha fala a igreja como agente de transformação do seu tempo a partir de João 1:14a.

O verbo se fez carne e habitou entre nós”.

Essa é uma das coisas mais escandalosas da relação de Deus conosco: “O verbo se fez carne e habitou entre nós”! Uma igreja que se porta como agente de transformação do seu tempo precisa entender que ela é portadora de uma Palavra que transforma. Nós não somos portadores de uma Palavra qualquer, somos portadores de uma Palavra que causa transformação. Essa Palavra lá no hebraico, no grego, no latim migra para verbo e a gente esvazia o sentido dela porque para nós verbo é fala, é isso que sai da nossa voz ou da nossa mão, depende da forma como a gente se comunica.

Um dia alguém, filho de família do Antigo Testamento, entendeu que essa Palavra podia ser entendida por práxis, que é justamente teoria e ação entrelaçadas. A Palavra que essa igreja leva não é uma palavra qualquer, não é uma verborreia, não é um simples discurso, mas é uma Palavra que causa transformação porque ela é a energia da teoria e da ação entrelaçadas. A gente vê isso em Isaías 55:10-11. Somos portadores desta Palavra e Ela vem, transforma e volta. Ela é Palavra que tem poder. E Clemir lembrou muito bem que a Bíblia não é nossa única regra de fé e prática, o quanto a igreja está afastada da Bíblia e eu quero só alertar que essa Palavra a qual me refiro não é a Bíblia, essa Palavra é o Cristo. É essa a Palavra que a igreja leva.

A igreja não é detentora da Bíblia, ela é a Encarnação do Espírito desse Verbo e ela caminha cumprindo a sua missão na força do poder desse Verbo que se fez carne e que em nós habita.

Por isso talvez urja à igreja, para ser uma igreja transformadora, dar uma olhada para a Bíblia não como um fim, mas como testemunho privilegiado do Cristo. Porque quando nós começarmos a imitar esse Cristo, essa Palavra que é testemunho privilegiado desse Cristo fará sentido e nossa missão será transformadora de verdade.

Por isso ela só é missão transformadora, a igreja só se porta como agente de transformação, não só a partir do momento em que entender o poder dessa Palavra, mas também quando encarnar essa Palavra. E aqui tem um desafio para nós porque encarnar ou não encarnar essa Palavra vai definir se a igreja de fato é seguidora de Deus, o Yahweh, o nosso Deus, ou se ela é idólatra. Aí ou encarnamos essa Palavra no mundo, na vida real, ou nós nos tornamos idólatras! (Salmo 135 – Êxodo 3:7-8a)

Veja os paralelos entre esses dois textos: o ídolo tem boca, mas não fala. Yahweh disse: Ele tem boca. O ídolo tem olhos, mas não vê, Yahweh vê a miséria, nosso Deus vê a miséria. O ídolo tem ouvidos, mas não escuta. Mas o nosso Deus escuta o nosso clamor. O fim do Salmo 135 diz que os que fazem esses ídolos se tornam como eles.

A igreja que tem olhos, mas não vê, que tem boca, mas não fala, que tem ouvidos, mas não escuta, que conhece, mas não desce para libertar é idólatra: não precisa de estátua, de santo, mas é idólatra!

A igreja só exerce transformação se ela sai do seu lugar de idolatria. E nós corremos um risco muito grande porque enclausuramos a Palavra na Bíblia e o lugar de operação da nossa fé no templo e nisso o mundo está passando alheio e pode ser que nós estejamos fazendo tudo muito bonito, muito bem feito, mas dentro de um esquema de idolatria e não no esquema do Deus Javé que diz, que vê, que escuta, que conhece, que desce e que liberta.

Para que a igreja seja um agente de transformação do seu tempo ela precisa abandonar a sua idolatria. Só temos duas saídas: ou vemos a miséria, tomamos conhecimento das angústias e descemos para libertar ou seremos idólatras. E isso é um imperativo da nossa fé, isso não é uma escolha. Para ser agente de transformação do seu tempo a igreja entende que Deus está solto. O verbo se fez carne e habitou entre nós. Construiu seu tabernáculo e tabernáculo é um negócio móvel, ele anda, ele está livre, ele está solto. Quando em Êxodo 3 Moisés pergunta “Quem é o Senhor?”, já puxando para um arranjo idólatra egípcio em que todos os deuses tinham nome, nosso Deus diz: “Eu sou o que sou e estou onde estou. Não me nomeie, não me enquadre, não queira saber quem eu sou, não queira me dar limites, porque eu sou isso e eu estou aí”.

E é interessante que para a igreja causar transformação no seu tempo ela precisa entender que Deus está aí, Deus está solto. Este foi o maior erro de Israel: Israel foi armando tanto o seu arranjo idolátrico religioso – porque toda religião tende a idolatria – que foi ao cúmulo de prender Deus numa caixa revestida de ouro por trás de uma cortina de 9 mm de espessura, onde só um homem privilegiado acessava esse Deus uma vez por ano! E Deus nunca esteve ali porque Deus está solto. O Espírito do Senhor está solto e a igreja precisa entender isso! É escandaloso o texto de Isaías 45. Isso é escandaloso porque, para nós, Deus só pode usar aqueles que a Deus conhecem, mas Deus está solto e a igreja precisa entender que a missão e todo esforço de Deus é para reconciliar as nossas vidas caídas, a nossa condição caída por graça e por amor. E a gente se surpreende com isso.

Para ser agente de transformação do seu tempo, a igreja precisa entender que Deus está solto e precisa correr atrás de Deus. Deus não corre atrás da igreja. Ele está aí, e pior ainda: se formos um ente religioso idólatra, Deus pode estar até na Associação Atlética Boca de Álcool, pode inclusive estar na mata da boca de fumo, mas duvido muito que Ele esteja em um ajuntamento de gente que está tendo uma relação idólatra com Ele!

A igreja precisa entender essas coisas e eu sei que Deus disse isso o tempo todo a nós. O grande desafio da igreja é entender sua seara. Enquanto a seara da igreja for uma seara de um ente idólatra, então nós teremos organograma, teremos presidência e diretoria, faremos eleições ou convocações de pessoas, teremos um arranjo bonito, religioso, mas essa seara é pequena. Se a igreja entender que sua seara é o mundo, que o lugar de operação de sua fé é lá fora onde Deus está operando no mundo o tempo todo em todo o tempo, ela vai se associar à missão de Deus, vai se associar à missão desse Verbo que se fez carne. Por isso eu comecei dizendo que a coisa mais escandalosa da Bíblia, na minha é o texto de João 1:14 porque no ápice da santidade de Deus Ele desce e pisa na lama da nossa vida e se faz nazareno.

Esse servo sofredor, companheiro de caminhada, parecido com os pobres… Aliás, é uma heresia eu dizer que é parecido com os pobres porque Ele se esvaziou tanto que se tornou o principal dos miseráveis e nisso a gente vê a grande glória de Deus e a grande glória de Deus tem que ser essa!

A igreja precisa entender que ou ela volta a se parecer com Jesus ou não causa transformação porque o mundo vai nos rejeitar enquanto igreja!

E isso é um exercício de fé terrivelmente complicado, olhar para a igreja e avaliar se ela se parece ou não com esse Logos, com essa Palavra Encarnada. A igreja tem que se parecer com Ele, o verbo que se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a sua glória como a glória do unigênito do Pai. Meu sonho é que a igreja faça uma paráfrase desse versículo e o mundo possa dizer: e a igreja se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a glória de Deus estampada nas atitudes da igreja. Aí eu duvido que ela não transforme!

Ela não precisa de dinheiro, não precisa de estratégias, não precisa de gente inteligente. Pode ser qualquer um porque Ele usa a nós quanto mais nós somos fracos porque a gente aprendeu que a força Dele se aperfeiçoa na fraqueza. Nessas falas meu coração se enche de esperança porque saímos das nossas casas, 22 estados, 5 países, isso enche meu coração de esperança. Porque a gente chega aqui, senta ali, sabe que vai apanhar do Espírito e fica feliz! Porque aqui está ajuntado um povo de coração quebrantado. Estamos aqui debaixo de um só Espírito, ungidos por Um só. E nós voltaremos para as nossas casas diferentes, eu duvido que alguém aqui saia de maneira igual.

E se nós não aplicarmos aquilo que ouvimos aqui, Deus vai permanecer dizendo o tempo todo porque Ele tem ansiedade de dizer as coisas a nós para que a gente o encarne e viva. E eu tenho uma grande esperança porque aqui tem um extrato de uma multidão. Nós representamos uma multidão de todas as tribos, povos, línguas e nações porque sempre haverá 7 mil que não se dobrarão a Baal, uma multidão de insatisfeitos que está querendo reconduzir a igreja para aquilo que ela deveria ser. aAiás, nem está querendo reconduzir, já reconduziu.

Eu creio que a igreja de Jesus mudará de novo o paradigma de encarnação da fé. Eu acredito que a justiça voltará a ser o maior identificador do Reino de Deus. Eu acredito que vai chegar um momento, e eu acho que vai chegar logo, que ser crente será sinônimo de “Eu aceitei Jesus para que a minha vida seja usada como instrumento da justiça”.

Deus também acredita e Deus tem esperança em nós. Não por quem nós somos, não porque nós podemos, mas porque Ele sabe que estamos abertos para entender o que Ele quer pra nós. Então eu tenho certeza absoluta que esse encontro cumpriu a sua finalidade e que nós podemos voltar para casa com o coração cheio de esperança de uma igreja que pode ser a igreja que causa transformação no seu tempo. Que Ele nos abençoe e nos unja no poder do seu Espírito que um dia se fez carne, habitou entre nós e noutro tempo habitou em nós e nós somos portadores dessa Palavra que tem poder!

Leia também:

René Padilla: “Somos cidadãos do Reino de Deus e do mundo”

“Fomos criados para viver em harmonia com Deus, com o próximo e com a criação de Deus” – René Padilla

Andrea Vargas: “Se a igreja focar primeiro em gerar vida, nosso modus operandi vai ser outro”

Congresso Miqueias Brasil: Um convite à Missão!

Ronilson Pacheco: “A violência institucionalizada do Estado é intocável pelo seu caráter sacralizado”

Sheryl Raw: “Não se pode adorar um homem pobre no domingo e ignorar os pobres na segunda”

Lyndon de Araújo: “Temos que abandonar a lógica da conquista como missão”

Leave a Reply