| | | 55 31 3568-1401

A esperança e o fatídico

A esperança e o fatídico: a trajetória de lutas de uma mulher de fé

Por Serguem Jessui – No dia 14 de abril de 2016 estive pela última vez no Assentamento Boa Fé. Três semanas depois, no dia 07 de maio, o Senhor levou Adeilza para si em um trágico acidente automobilístico. O texto que se segue é um breve relato de como a vida dessa mulher guerreira impactou tantas outras vidas. Adeilza não está mais entre nós, mas os frutos de seu trabalho ainda serão colhidos pelas gerações que a sucedem. Que o exemplo de fé, luta e determinação de Adeilza possa ser lembrado e sirva como encorajamento para todos aqueles que ainda pelejam pela reforma agrária e pela justiça neste país.

No início de 2015, eu estava prestes a visitar o sertão da Paraíba e disse ao pastor da Igreja ACEV da cidade de Imaculada, Lindon Carlos, que gostaria de visitar o assentamento Boa Fé. A visita ocorreu conforme planejado e foi cheia de boas e gratas surpresas! Compartilho algumas delas:

– a Igreja ACEV estava presente no assentamento e era possível perceber e sentir a presença dos muitos sinais visíveis do reino de Deus na história daquele povo que sempre desejou um pedaço de chão para viver dignamente;

– A líder do assentamento e do MST local era uma crente em Jesus Cristo e membro da Igreja ACEV de Imaculada;

– O assentamento estava resistindo às agruras de uma das piores secas que acometia o sertão nos últimos 50 anos graças ao poço perfurado pela ACEV com o apoio da Tearfund;

A meu ver, o saldo era positivo e resultava em uma igreja atuando e respondendo às muitas demandas em uma área de assentamento!

Esta questão da terra é ainda um tabu para as igrejas e um dos assuntos mais controvertidos por falta de uma boa compreensão bíblica. Mas o Senhor diz claramente com todas as letras em Levítico 25:23 “… porque a terra é minha; pois vós sois para mim estrangeiros e peregrinos”.

Exatamente 30 dias atrás estive novamente visitando o assentamento Boa Fé. Foi uma manhã memorável e eu estava extasiado com as muito boas notícias. O evangelho é boa notícia! Quando anuncia e traz o Shalom “vida abundante para todos – João 10:10”. Nesta ocasião, além de visitar várias famílias, tivemos uma roda de conversa memorável com jovens e adultos que relataram a epopéia da luta e conquista daquele pedaço de chão:

– Foram muitos os que se juntaram e acamparam na rodovia, mas poucos os que resistiram e foram persistentes até a conquista da terra. Enfrentaram muitos preconceitos e malediscência por parte da população da cidade. É o mesmo preconceito que se escuta em todos lugares quando se trata da luta pela terra;

– Famílias relataram que a vida havia melhorado, já que muitos deles passaram de uma vida de escravidão e semi-escravidão a donos de um pedaço de terra. Alguns filhos de famílias assentadas que viviam no Sul no Brasil retornaram para trabalhar com seus pais, pois tornou-se mais interessante viver com melhor qualidade de vida naquele lugar do que enfrentar longas jornadas e distâncias em centros urbanos distantes;

– As famílias estavam produzindo, vendendo e tirando o sustento dos seus lotes de terra nas feiras das cidades vizinhas. As muitas variedades de cultivos e a criação de pequenos animais lhes permitia ter uma renda em todas as ocasiões.

Fruto da luta coletiva dos assentados, foram muitos os benefícios conquistados e outros que estavam por vir. Os próprios jovens do assentamento tomaram a iniciativa de realizar atividades regulares com as crianças menores. Contavam os detalhes com os olhos brilhando e cheios de alegria. Sempre desenvolvem as atividades com criatividade de sobra e entusiasmo. Ressaltaram a importância da presença da igreja, que em todos os momentos sempre esteve presente e fazendo diferença na vida de todos os assentados. Para mim, foi uma imensa alegria escutar os relatos!

No assentamento Boa Fé a luta de Adeilza e a participação da igreja não foi em vão! A vida brota e floresce em uma área de assentamento no meio do Sertão, carente de políticas públicas eficazes e marcado por profundas injustiças e desigualdades. O evangelho chegou de maneira plena e contudente. É o evangelho que restaura vidas, dignifica, acolhe os pobres deste mundo e transforma a vida em todas as dimensões. Preocupa-se com o ser todo e toma parte nas lutas por um mundo melhor. É o testemunho e relato de todos os assentados. Ninguém naquelas bandas gasta o tempo discutindo se é ação ou evangelismo. É simplesmente o evangelho de Jesus como Ele mesmo pregou. Chega chegando!

A mãe de Adeilza reservou em frente à sua casa um pedaço de terra para a construção de uma congregação. Nunca foi o desejo da ACEV de Imaculada construir um templo, mas é o desejo da comunidade construir um local que sirva de espaço para reuniões e estudo da Palavra que acontece semanalmente, numa perfeita integração entre as famílias assentadas e o pessoal da Igreja.

Hoje, 14.05, faz exatamente uma semana que Adeilza e sua mãe faleceram na véspera do dia das mães de uma maneira trágica em um acidente de carro. Ambas eram servas do Senhor. O condutor do veículo também faleceu. A tragédia gerou uma grande comoção no assentamento! Estavam indo para uma feira de uma das cidades vender os produtos que cultivavam.

Sempre foi o desejo da Tearfund que Adeilza contasse em um dos nossos eventos toda esta trajetória de luta pela terra.  Como ela sempre estava lutando com problemas de saúde, nunca pôde participar anteriormente, mas presença dela estava confirmada em um evento que Tearfund organiza no mês de maio.

Sua vida é um testemunho! Mulher sertaneja, evangélica e líder do MST. Seus olhos brilhavam quando falava de sua trajetória de lutas e conquistas do assentamento Boa Fé. Sozinha, cuidava da terra e de quatro crianças. Uma guerreira e mulher de fé.

Ao comentar sobre a vida de Adeilza o pastor Lindon Carlos disse o seguinte:

“Numa oportunidade fez calar um auditório de 6  mil pessoas.  Pequenina e com o seu chapéu de couro expunha a causa e os direitos dos agricultores. Vítima de preconceitos por ser mulher, negra e assentada, ela dizia se sentir feliz pelo apoio e pela presença da ACEV na comunidade com várias ações e projetos. Participou de debates em vários lugares em defesa da reforma agrária se opondo veementemente e com fortes argumentos  a muitos debatedores contrários ao movimento. Dava gosto ouvir Adeilza falando de sua comunidade e da importância da ACEV e seus parceiros atuarem ali. Chegamos no Assentamento por causa da relação de proximidade de Adeilza  com os jovens da ACEV Paulo Sérgio e Flavia, ambos professores de Adeilza  no Ensino Fundamental II.Ela me dizia “como eu sabia  pastor que ACEV é uma igreja sem besteira, eu sabia que vocês poderiam nos ajudar em várias demandas da comunidade”. Nas primeiras conversas que tive com ela, ela clamava por ajuda pelas famílias, crianças e jovens do assentamento. Poucas pessoas pensam e agem com finalidade coletiva como ela fazia e pleiteava parcerias para melhorar a sua comunidade. Ela sempre destacava a importância das ações  de desenvolvimento comunitário e o ensino da Bíblia para todos do Assentamento. Ela tinha, mesmo sem saber, o DNA de Missão Integral”.

Em minha última visita ao assentamento de Boa Fé em abril pude testemunhar o apoio técnico do Incra, com seus técnicos que visitavam o assentamento e prestavam apoio com regularidade.

É a reforma agrária que deu certo!

É a igreja cumprindo sua tarefa evangelizadora na perspectiva plena do evangelho!

É o Reino que se estabelece na vida de paz, alegria, justiça e gozo!

Estamos certos de que Adeilza e sua mãe estão com o Senhor e a luta delas não foi em vão.

Maranata!

Belo Horizonte, 14 de maio de 2016,

Serguem Jessui

 

 

Leave a Reply