| | | 55 31 3568-1401

Entrevista: "Como minha fé inspira meu trabalho"

Entrevista: “Como minha fé inspira meu trabalho”

Asas de Socorro é uma parceira da Tearfund que trabalha em algumas das áreas mais remotas do Brasil. A organização concentra-se em saúde, educação e saneamento, usando aviões para ajudar comunidades distantes. Pedimos a dois voluntários de Asas do Socorro, Paulo Tsai e Cristiane Reynoso, para nos contarem sobre a relação entre sua fé e seu trabalho.

Por favor, contem-nos sobre o trabalho que vocês fazem. 

Paulo: Eu me formei como médico há 20 anos e me especializei em radioterapia. Ouvi falar de Asas de Socorro pela primeira vez através de uma palestra em uma igreja. Nas viagens com Asas de Socorro, presto todo tipo de ajuda médica. Também treino agentes de saúde e realizo oficinas educacionais para as pessoas.

Cristiane: Sou dentista. Sempre gostei de ajudar as pessoas, e, para mim, a odontologia era mais do que uma profissão – era o propósito da minha vida. Comecei a trabalhar como voluntária de cuidados de saúde quando ainda era estudante. Alguns anos depois, fiquei sabendo de Asas de Socorro. Eu concordo com o objetivo de não apenas curar os problemas de saúde, mas também ajudar as pessoas a evitá-los.

Como sua fé cristã impacta seu trabalho? 

Paulo: O trabalho é desafiador, porque não importa o quanto você planeja, muitos imprevistos ainda acontecem. Em locais remotos, não há recursos para nos ajudar a diagnosticar as doenças. Há limitações para encaminhar as pessoas a profissionais mais especializados. Podem faltar remédios. Essas coisas mostram o quanto somos limitados, independentemente da nossa formação acadêmica. Mas temos fé no fato de que Deus está no controle do nosso trabalho. Sabemos que ele pode fornecer recursos e inspiração para resolvermos problemas que estão além da nossa capacidade.

Cristiane: Minha fé cristã afeta toda a minha vida e todas as minhas escolhas. Ser cristão significa responder com o coração ao que aprendemos de Jesus. Isso me incentivou a escolher uma profissão na qual eu pudesse ajudar as pessoas, especialmente aquelas que não podem pagar. Ao servir essas pessoas, posso pôr em prática minha fé.

Quais são as coisas mais desafiadoras e gratificantes de seu trabalho?

Paulo: Um dos desafios é compreender a cultura local e os fatores ambientais que levam à prevalência de algumas doenças. Muitos problemas de saúde estão relacionados com problemas sociais. Temos de nos comunicar com as pessoas de uma forma que elas possam entender e também trabalhar em conjunto para resolver os problemas.

É muito gratificante ver que, para muitos problemas, há soluções simples, com excelentes resultados. Nós oferecemos educação sobre saúde e incentivamos comportamentos que tenham uma influência positiva sobre a saúde das gerações futuras.

Cristiane: Ajudar as pessoas a mudar seus hábitos alimentares e escovar os dentes é um grande desafio. Esse é principalmente o caso dos adultos. As crianças adotam novos hábitos com mais facilidade. É gratificante ver os sorrisos das pessoas cujos dentes da frente foram restaurados. Às vezes, vemos as pessoas descobrirem Cristo, e isso é muito gratificante.

Que conselho vocês dariam aos cristãos que estão pensando em iniciar uma carreira em cuidados de saúde?

Paulo: Deus nos dá dons e habilidades para permitir que façamos sua vontade. Portanto, não tenha medo de todas as coisas que podem dar errado. Em vez disso, confie no fato de que Deus pode fazer grandes coisas quando nós não podemos. Cuidar dos pacientes com amor e mostrar interesse, muitas vezes é mais importante do que apenas fazer um ótimo diagnóstico.

Cristiane: Se você nunca participou de uma viagem como voluntário, experimente pelo menos uma vez! Eu desafio os profissionais a irem e verem como é dar o que ninguém quer dar, onde ninguém quer ir. Você não receberá nenhum pagamento, mas receberá amor.

Site: www.asasdesocorro.org.br
E-mail: contato@asasdesocorro.org.br

Extraído da edição número 102 da Revista Passo a Passo; veja aqui a edição completa/ foto: Asas de Socorro

Leave a Reply