| | | 55 31 3568-1401

50 anos, 50 países: conheça a história da Tearfund em Honduras

50 anos, 50 países: conheça a história da Tearfund em Honduras

Para marcar os 50 anos da Tearfund, estamos compartilhando parte da nossa história nos 50 países em que trabalhamos. Convidamos nossos parceiros, mantenedores e intercessores a celebrarem conosco a provisão e o poder de Deus para transformar vidas e a se unirem a nós em intercessão por cada uma dessas nações. Leia no texto de hoje sobre como temos atuado em Honduras

A nação centro-americana de Honduras é conhecida por seus ricos recursos naturais, incluindo vastas áreas de florestas magníficas. No entanto, anos de regime militar, corrupção, desigualdade, crimes violentos e desastres naturais fizeram de Honduras um dos países mais perigosos e menos desenvolvidos da América Central.

A Tearfund começou a trabalhar em Honduras na década de 1970, em resposta aos furacões e à chegada de refugiados das guerras civis vizinhas. Na década de 1990, uma das principais áreas de trabalho foi a luta pelos direitos fundiários do povo indígena Miskito.

Direito à terra

Os líderes dos misquitos estavam fazendo lobby junto ao governo pelo direito à terra para protegerem seu estilo de vida e meio ambiente. A parceira da Tearfund, MOPAWI (Agência para o Desenvolvimento da Mosquitia) e nossos apoiadores se juntaram a eles em sua luta. Um acordo de exploração madeireira em 1991 e planos para uma hidrelétrica em 1998 foram revertidos.

Osvaldo Munguía, diretor da MOPAWI, fez lobby, persuadiu e orou por seu povo durante três décadas, apesar de muitos desafios à sua própria segurança. Desde 2012, 10.000 quilômetros quadrados foram entregues aos povos indígenas de La Mosquitia.

Quando começamos, as coisas pareciam tão difíceis que fiquei convencido de que não veria os resultados”, diz Osvaldo. “Eu sou tão privilegiado que Deus me manteve aqui para ver com meus próprios olhos os resultados de todos esses esforços.”

Juntamente com nossos parceiros locais continuamos comprometidos em fortalecer as comunidades marginalizadas, abordando questões ambientais, treinando e equipando as igrejas locais para enfrentar os problemas locais (especialmente o acesso aos serviços de saúde), e defendendo os direitos à terra, em particular para os povos indígenas.

Combater a violência

No entanto, uma nova questão foi desenvolvida. Uma cultura de violência dominou grande parte de Honduras e de toda a sociedade centro-americana nos últimos anos. Segundo um relatório da ONU divulgado em 2014  Honduras tem a maior taxa de homicídios do mundo.

Isto é em grande parte devido à presença de tráfico de drogas e gangues de jovens ou ‘maras’, mas há um quadro maior.

“É uma situação complicada”, explica Alexis Pacheco, que lidera o trabalho da Tearfund na América Central. “Durante as guerras civis na região, muitos fugiram para os EUA, mas nos anos 90, grandes números foram deportados de volta. Muitos desses jovens nunca tinham vivido em Honduras e se viram sobrevivendo nas favelas, usando as habilidades que aprenderam em gangues nos EUA.

Some-se a isso o alto desemprego, a corrupção – mesmo na igreja – a desintegração das famílias e os recursos insuficientes da aplicação da lei, e a violência tornou-se endêmica.

“A comunidade não estava bem preparada para enfrentar esse nível de violência”, diz Alexis. “Como um pastor me disse há algumas semanas,” nenhuma escola teológica me ensinou a enfrentar o trauma. “Como você ministra a uma família cujo filho é assassinado?

Mas há igrejas chegando às áreas mais pobres, e isso dá a Alexis uma grande esperança para sua nação.

Sinto-me muito feliz por algumas igrejas começarem a tomar medidas práticas para proteger os jovens; ensinar e compartilhar, dar espaços de proteção e espaços para lidar com o trauma e criar esperança. Um dos meus heróis é chamado Pastor Mario – juntamente com a sua igreja eles decidiram trabalhar com os jovens. Suas armas são sua Bíblia e sua fé, e com elas ele está enfrentando o trauma e propondo soluções”.

Por favor, orem conosco;

  • Louvado seja Deus por homens como Osvaldo e Mario que servem suas comunidades, não importando o custo! Ore pela segurança da igreja e dos líderes comunitários, ao tomarem a iniciativa de apoiar as comunidades e ore para que mais pessoas se envolvam.
  • Ore pelo fim da violência em Honduras. Ore para que o governo e as autoridades locais tenham sabedoria para lidar com a violência e a corrupção que permite que ela continue.
  • Ore pela Tearfund e por nossos parceiros ao procurarmos apoiar pastores e igrejas para atender às necessidades de suas comunidades. Ore pelo trabalho com jovens, na saúde, com grupos indígenas e na construção de meios de subsistência.

Leave a Reply